Manchester by the sea

man

Fui à pesca.

Nas salas de cinema pode sempre acontecer o inesperado.

Manchester by the sea, sei agora, nomeado para melhor filme, é imprevisível.

Apesar de estarmos lá, afinal estamos permanentemente em desassossego.

Houvesse porventura um filme da minha vida, como tantas vezes acreditei, então Manchester by the sea destruiu essa fé.

Porquê?

São ilimitadas as possibilidades da minha vida.

Já tantas vezes, aqui em Ruteorias, discorri sobre a capacidade mágica e artística da tela se transformar em espelho onde vemos projectadas imagens da nossa vida.

O que aconteceu neste filme foi mais do que isso.

Foi assustador.

A história da minha vida não aconteceu exactamente, tal igual, eu sempre a pensei.

Posso exagerar tudo e abusar do overwriting e mesmo assim fico aquém do além que Kenneth Lonergan me proporcionou.

Foi uma regra de três simples.

Casey Affleck está para o filme assim como eu estou para x.

Vão ver o filme e resolvam:

A nossa própria vida é uma incógnita.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: